Artigos

A presente conjuntura criada pelo COVID-19, constitui uma possível mudança e oportunidade/desafio no mercado de patrocínios da indústria do futebol. Face aos recentes acontecimentos, muitas marcas decidiram reavaliar as suas estratégias e os contratos em vigor.

De acordo com dados da KPMG, o valor de patrocínios nas 5 principais ligas europeias (Bundesliga, La Liga, Ligue 1, Premier League e Serie A), os que mais atraem as marcas, ascende a 3.300 milhões por ano sendo que um terço corresponde ao patrocínio da frente das camisolas.

A Premier League destaca-se claramente gerando 832 milhões de Euros anualmente, quase o dobro da La Liga com 436 milhões de Euros por ano. O gráfico em baixo permite também ver a diferença de realidades face a outras ligas como a turca (SuperLig) e a holandesa (Eredivisie).

Tal como sucede com outros fluxos de receita, existe também polarização dentro de cada liga. A título de exemplo, os 6 principais clubes da Premier League agregam 83% do valor total do campeonato e, em Espanha, Real Madrid e Barcelona reúnem 80% do valor. Os elevados valores recebidos por estes clubes ultrapassam, inclusive, os globais de ligas como a SuperLig e a Eredivisie.

Ainda com 4 jogos dos oitavos-de-final por realizar, no passado dia 17 de Junho, a UEFA anunciou que os quartos-de-final, meias-finais e final da UEFA Champions League terão lugar em Lisboa, no Estádio do Sport Lisboa e Benfica (estádio da final) e no Estádio José Alvalade, pertencente ao Sporting Clube de Portugal. Os quartos-de-final e meias-finais serão jogadas apenas a uma mão. Está ainda pendente uma decisão relativamente ao local dos jogos em falta dos oitavos-de-final que poderão ter lugar nos estádios de Barcelona, Bayern Munchen, Juventus e Manchester City ou em Portugal, no Estádio do Dragão, pertencente ao Futebol Clube do Porto e Estádio D. Afonso Henriques, casa do Vitória Sport Clube. Para já estão garantidas as presenças em Lisboa da surpreendente Atalanta, do Atlético de Madrid de João Félix, do crónico campeão francês Paris Saint-Germain e do cada vez mais conhecido RB Leipzig.

As cidades escolhidas pela UEFA

Ano após ano, as principais cidades europeias candidatam-se a receber a final da maior competição mundial, a UEFA Champions League. Além de ter sido anunciado o novo local da final deste ano, já são conhecidas as cidades onde se irão realizar as edições de 2021, 2022, 2023 e 2024. Entre 1993, ano da primeira final enquadrada no mais recente formato da competição, e 2024, serão 22 os estádios de 20 cidades de 14 países que terão recebido as 32 finais da competição com especial destaque para a Alemanha com 6 edições e, em particular, para Munique com 4 finais.

Ao analisarmos o local das finais, verificamos que existe uma clara preferência pelos países dos chamados “Big-5” (Bundesliga, La Liga, Ligue 1, Premier League e Serie A). Assim, em 2024, Alemanha, Espanha, França, Inglaterra e Itália terão recebido 19 das 32 finais (59%). Relativamente aos restantes países, destacam-se três “periféricos”, Turquia, Grécia e Portugal, com duas finais.

À primazia pelos 5 países das principais ligas europeias não será, obviamente, alheia a componente comercial uma vez que terão tendencialmente mais capacidade de gerar e potenciar receitas através das suas marcas, do seu poder de compra, da centralidade no continente europeu e da sua rede de transportes.

O impacto económico das últimas finais

O impacto económico nas cidades que recebem a final da competição incide fundamentalmente nas estadias em hotéis e outras habitações turísticas, na restauração, em outras actividades turísticas, e em outros serviços como segurança, hospitalidade, patrocínios. Como se pode observar no gráfico em baixo, o impacto nas cidades variou entre os 45 milhões de Euros em Roma no ano de 2009 e os 53 milhões em Cardiff mais recentemente.

Em 2011, Barcelona e Manchester United defrontaram-se em Londres tendo os Blaugrana vencido por 3-1 com o “tiki taka” de Pep Guardiola e Messi como maestro. Estima-se que a final entre os dois colossos tenha gerado 52 milhões de Euros e se tenham deslocado à capital inglesa cerca de 110 mil pessoas. Já em 2017, em Cardiff, a final entre Real Madrid e Juventus gerou 53 milhões de Euros, valor mais elevado nas finais analisadas, e levou à cidade cerca de 200 mil pessoas.

Relativamente à final de Lisboa em 2014, entre as equipas espanholas do Real Madrid e Atlético Madrid, calcula-se que o impacto económico para a capital portuguesa tenha sido de cerca de 50 milhões de Euros. De acordo com estudos realizados, crê-se que 54% deste valor (27M€) esteja associado a estadias, 22% (11M€) a restauração, 7% (3,5M€) com outras actividades turísticas e 17% (8,5M€) a outros serviços. O aeroporto de Lisboa registou um acréscimo de 10 mil passageiros no fim-de-semana do jogo, representando um aumento de 20% face ao fluxo habitual e registaram-se cerca de 50 mil dormidas em Lisboa e 70 mil visitantes.

Para estes valores em muito contribui o poder de compra dos adeptos que visitam a cidade que acolhe a final. Conforme podemos verificar no gráfico em baixo, ao combinarmos o PIB per capita dos países dos clubes representados na final, o evento de Lisboa em 2014 apresenta o valor mais baixo das últimas 11 edições. A final de 2013 em Londres, entre Bayern Munchen e Borussia Dortmund apresenta o valor mais elevado.

As cidades, além de obterem receitas e impacto comercial no curto-prazo com a realização do evento, obtêm dividendos a longo-prazo. A final de 2014 em Lisboa contribuiu, juntamente com outros grandes eventos decorridos nos últimos anos, como o Euro 2004, para o incremento da reputação da cidade e do país como organizador de eventos de relevo. Assim, as cidades acabam por lucrar no longo-prazo com um aumento do turismo, patrocínios e maior probabilidade de receberem outros grandes eventos.

UEFA Champions League em Portugal – Que impacto esperar?

Em primeiro lugar, devemos ter em conta que os moldes em que Portugal receberá a competição são totalmente novos uma vez que, no mínimo, serão realizados 7 jogos em Lisboa ao invés de apenas a final. Em segundo lugar, devemos também ter atenção ao facto de a presença de público no interior dos estádios ser também ainda uma incógnita em virtude da evolução da pandemia do COVID-19. Por último, é importante considerar que os voos internacionais estão a ser retomados possibilitando a vinda de adeptos afectos aos clubes mesmo na eventualidade de estes não poderem assistir aos jogos no interior dos recintos desportivos.

Assim, tendo por base os valores acima referidos e dois cenários distintos, apresentamos uma estimativa relativamente ao impacto económico esperado.

Cenário 1 – Sem público nos estádios

  • 8 equipas, staff, UEFA, jornalistas, patrocinadores e alguns adeptos que se desloquem independentemente de não poderem aceder aos estádios – 10.000 pessoas representando 15% do fluxo de 2014:
    • Estadias em unidades hoteleiras – 5,4 milhões de Euros
    • Restauração – 1,65 milhões de Euros
    • Outras actividades turísticas – 0,5 milhões de Euros
    • Outros serviços (considerando serem afectados apenas em 30% devido ao número superior de jogos face a 2014) – 5,95 milhões de Euros
  • Impacto estimado total = 13,5 milhões de Euros

Cenário 2 – Estádios com 33% de lotação máxima (na linha do que se encontra a ser discutido pela La Liga)

  • Assumindo 20 mil pessoas por jogo, 10 mil afectas a cada um dos 8 clubes e assumindo que assistirão também às meias-finais e final caso o seu clube se apure, repercute-se num potencial máximo de 80 mil pessoas;
    • Estadias em unidades hoteleiras – 43,2 milhões de Euros
    • Restauração – 17,6 milhões de Euros
    • Outras actividades turísticas – 5,6 milhões de Euros
    • Outros serviços – 13,6 milhões de Euros
  • Impacto estimado total = 80 milhões de Euros

Independentemente das estimativas que se possam efectuar, é certo que a realização das fase final da UEFA Champions League trará benefícios, sobretudo nesta fase, ajudando na retoma da hotelaria e restauração, na atenção mediática e imagem do país pelo facto de acolher, no mínimo, 8 equipas compostas por elementos com muitos seguidores e com um valor de mercado elevado.

O Futebol vive de golos, todos o sabemos. Além do espectáculo que proporcionam, permitem aos clubes acumularem pontos de modo a alcançarem os seus objectivos, sejam eles desportivos ou financeiros.

Dependendo da sua envolvente, dos plantéis de que dispõem, da sua cultura de jogo, do próprio sucesso da sua estratégia desportiva e empresarial e dos desafios que lhes são colocados pelos seus adversários, apresentam diferentes volumes de golos marcados e, em determinados casos, marcando menos do que outros mas conseguindo obter pontuações significativas permitindo-lhes atingirem classificações confortáveis ao longo das épocas.

Cada clube adapta a sua estratégia aos seus objetivos e condicionantes acabando por adoptar diferentes modelos de jogo que convergem em maiores ou menores percentagens de posse de bola.

O Football Industry analisou esta temática verificando o desempenho dos 73 clubes que permaneceram nas principais divisões de Alemanha, Espanha, França, Inglaterra, Itália e Portugal entre as épocas 2014/2015 e 2018/2019.

Assim, apresentamos em baixo o ranking das equipas que apresentam melhor relação entre posse de bola e golos marcados, nomeadamente que, dispondo de menos posse de bola, alcançaram um maior número de golos.

 

Siga-nos no Facebook https://www.facebook.com/FootballIndustry e no Instagram https://www.instagram.com/football.industry/

No seguimento do trabalho que tem vindo a ser desenvolvido pelo Football Industry, apresentamos o ranking atualizado do número de fãs no Facebook dos clubes que competem na Liga ZON Sagres 13/14 relativo ao mês de Dezembro de 2013.
Comparativamente com o mês anterior, não se registaram quaisquer mudanças de posição.
Em termos agregados, verifica-se que o número de fãs dos clubes presentes nesta edição da Liga cresceu cerca de 3% face ao mês anterior, correspondendo a 116.400 novos seguidores (mais 19.800 que no período anterior) atingindo um total de 3.635.600 fãs.
Em relação aos clubes, o SL Benfica, o FC Porto e o Sporting CP continuam a ocupar o pódio, seguidos pela Académica, sendo que os três primeiros clubes agregam 94% do total de fãs.
Em termos percentuais, o clube que registou a taxa de crescimento mais elevada foi a Académica seguida pelo Belenenses e pelo Estoril Praia.
[table id=316 /]
Nota 1: Valores arredondados às centenas.
Nota 2: Valores recolhidos a 14 de Dezembro de 2013.
Siga-nos no Facebook! https://www.facebook.com/FootballIndustry

No seguimento do trabalho que tem vindo a ser desenvolvido pelo Football Industry, apresentamos o ranking atualizado do número de fãs no Facebook dos clubes que competem na Liga ZON Sagres 13/14 relativo ao mês de Novembro de 2013.
Comparativamente com o mês anterior, registou-se a subida do Belenenses à 8ª posição por troca com o Vitória FC e a passagem do Gil Vicente para o 11º lugar por troca com o Rio Ave.
Em termos agregados, verifica-se que o número de fãs dos clubes presentes nesta edição da Liga cresceu cerca de 3% face ao mês anterior, correspondendo a 96.600 novos seguidores (mais 3.800 que no período anterior) atingindo um total de 3.519.200 fãs.
Em relação aos clubes, o SL Benfica, o FC Porto e o Sporting CP continuam a ocupar o pódio, seguidos pela Académica, sendo que os três primeiros clubes agregam 94% do total de fãs.
Em termos percentuais, o clube que registou a taxa de crescimento mais elevada foi o Gil Vicente seguido pelo Belenenses e pelo Estoril Praia.
[table id=309 /]
Nota 1: Valores arredondados às centenas.
Nota 2: Valores recolhidos a 10 de Novembro de 2013.
Siga-nos no Facebook! https://www.facebook.com/FootballIndustry

No seguimento do trabalho que tem vindo a ser desenvolvido pelo Football Industry, apresentamos o ranking atualizado do número de fãs no Facebook dos clubes que competem na Liga ZON Sagres 13/14 relativo ao mês de Outubro de 2013.
Comparativamente com o mês anterior, não se registaram quaisquer mudanças de posição entre os clubes da Liga.
Em termos agregados, verifica-se que o número de fãs dos clubes presentes nesta edição da Liga cresceu cerca de 3% face ao mês anterior, correspondendo a 92.800 novos seguidores (mais 13.000 que no período anterior) atingindo um total de 3.422.600 fãs.
Em relação aos clubes, o SL Benfica, o FC Porto e o Sporting CP continuam a ocupar o pódio, seguidos pela Académica, sendo que os três primeiros clubes agregam 94% do total de fãs.
Em termos percentuais, o clube que registou a taxa de crescimento mais elevada foi o Belenenses seguido pelo Marítimo e pelo Estoril Praia.
[table id=289 /]
Nota 1: Valores arredondados às centenas.
Nota 2: Valores recolhidos a 12 de Outubro de 2013.
Siga-nos no Facebook! https://www.facebook.com/FootballIndustry

Nas últimas épocas tem sido discutido nos diversos campeonatos europeus, a presença de um cada vez menor número de jogadores nacionais nos 11 iniciais das equipas, tendo este facto consequências negativas para as respectivas selecções nacionais.
O Football Industry analisou os 11 iniciais de 148 clubes de 8 campeonatos diferentes nas 3 primeiras jornadas de 2012/2013 e 2013/2014 com o intuito de:
1-Verificar o número médio de jogadores nacionais nas equipas titulares;
2-Analisar a disparidade entre os clubes com maior e menor reputação no que respeita à aposta em jogadores locais;
3-Registar a equipa-tipo de cada campeonato (alinhadas por nacionalidades);
4-Registar as equipas com mais e menos jogadores locais por campeonato; e
5-Verificar a posição ocupada pelos jogadores portugueses escolhidos para o 11 inicial nos jogos da Liga ZON Sagres.
No período analisado, a Eredivisie (Liga Holandesa) foi aquela que apresentou um maior número de jogadores nacionais nos 11 iniciais dos seus clubes, tendo registado um valor médio de 7,3 em 2013/2014 e de 7,0 em 2012/2013. As Ligas Espanhola (Liga BBVA) e Francesa (Ligue 1) completam o pódio tendo apresentado, em média, 6,7 e 5,8 jogadores locais por 11 inicial em 2013/2014. Foram também consideradas a Liga Alemã (Bundesliga), a Liga Belga (Jupiler Pro League), a Liga Inglesa (Barclays Premier League), a Liga Italiana (Serie A) e a Liga Portuguesa (Liga ZON Sagres).
O estudo completo pode ser consultado em baixo.
[gview file=”http://football-industry.com/wp-content/uploads/Nacionalidades_no_11_Inicial.pdf” save=”0″]
Este estudo foi discutido no programa Maisfutebol, da TVI24, no dia 18 de Outubro de 2013.
[youtube id=”reGx-AuMa9I”]
Siga-nos no Facebook! https://www.facebook.com/FootballIndustry

Amanhã decorrerá no Etihad Stadium o 146º confronto em competições oficiais entre o Manchester City e o Manchester United sendo a 7ª e 8ª posições da Barclays Premier League 2013/2014 ocupadas, respetivamente, por estes dois clubes, neste momento. Como já vem sendo hábito, o Football Industry apresenta um conjunto de quadros comparativos entre ambos os clubes dividido em três áreas distintas: Finanças, Desempenho Desportivo e Web.
O referido comparativo permite-nos ter uma visão global dos dois clubes, da sua dimensão e das possibilidades de ambas as equipas neste confronto e na competição.
FINANÇAS
Ao nível das receitas, o Manchester United apresenta uma situação mais fortalecida ocupando a 3ª posição da Deloitte Football Money League 2013 comparativamente com o 7ª posto do Manchester City. Relativamente à estrutura de receitas dos dois clubes, verifica-se que o City apresenta uma maior dependência face às receitas de direitos televisivos e comerciais enquanto que a estrutura dos reds é mais repartida entre as três áreas. Contudo, nas últimas dez épocas, o Manchester City tem conseguido alcançar um crescimento assinalável, devido ao esforço de crescimento do clube e dos seus proprietários, mais do que triplicando as suas receitas. Verifica-se também que o Manchester United tem apresentado melhores resultados nas competições da UEFA tendo por isso arrecadado receitas superiores através desta via. Simultaneamente, os reds apresentam uma marca mais valiosa e melhores assistências embora o plantel do City seja considerado mais valioso. Finalmente, os blues não apresentaram resultados animadores no seu último relatório e contas, tendo registado um resultado líquido bastante negativo e custos com o pessoal superiores ao do seu rival, embora tendo uma dívida líquida inferior.
[table id=284 /]
DESEMPENHO DESPORTIVO
O Manchester United apresenta também um maior domínio na componente desportiva tendo saído vitorioso por 60 vezes dos 145 confrontos em competições oficiais entre estas equipas comparativamente com os 40 triunfos do Manchester City. Relativamente aos restantes indicadores de desempenho desta época, apresentados na tabela em baixo, verifica-se um maior domínio por parte dos blues.
[table id=285 /]
WEB
No que diz respeito à componente online, a estratégia do Manchester United tem vindo a ser alterada estando agora também presente no Twitter e Google +. Assim, embora o City tenha mais seguidores nestas duas redes sociais, o seu rival domina no Facebook. Nesta rede social, o Manchester City apenas apresenta 17% do número de fãs do seu rival. Em relação aos websites dos dois clubes, atualmente, o manutd.com está melhor colocado tanto a nível nacional como internacional.
[table id=283 /]
Notas: (1) Dados recolhidos a 21 de Setembro de 2013; (2) Na contagem dos troféus foram consideradas as seguintes competições: Campeonato do Mundo de Clubes, UEFA Champions League, Supertaça Europeia, Taça das Taças, Taça Intercontinental, Taça UEFA, Liga Inglesa, Supertaça de Inglaterra, Taça da Liga Inglesa e Taça de Inglaterra.
Siga-nos no Facebook! https://www.facebook.com/FootballIndustry

Sporting CP e SL Benfica vão defrontar-se hoje pela 299ª vez, em competições oficiais, a contar para a 3ª jornada da Liga ZON Sagres 2013/2014 naquele que é o primeiro dérbi da época.
No seguimento dos artigos publicados anteriormente, o Football Industry apresenta um conjunto de quadros comparativos entre os dois clubes, dividido em três áreas distintas (FinançasDesempenho Desportivo e Web), que nos permitirão ter uma visão global das duas equipas, da sua dimensão e das possibilidades de ambas neste confronto.
FINANÇAS
Relativamente à componente financeira, o SL Benfica apresenta valores superiores no que respeita às receitas de bilheteira e comerciais. Por outro lado, o Sporting CP apresenta valores superiores nas receitas de direitos televisivos. Quanto à estrutura de proveitos dos dois clubes, verifica-se uma maior dependência do Sporting CP face às receitas de direitos televisivos e do SL Benfica em relação às receitas comerciais. Por último, o SL Benfica tem apresentado assistências médias e receitas de prémios da UEFA superiores.
[table id=279 /]
DESEMPENHO DESPORTIVO
O SL Benfica apresenta neste momento mais 20 vitórias do que o Sporting CP nos 298 jogos em competições oficiais entre as duas equipas. O Sporting CP tem uma equipa mais jovem e uma melhor forma recente.
[table id=280 /]
WEB
No que diz respeito à componente online, o domínio pertence ao SL Benfica, apresentando um número superior de fãs/seguidores em todas as redes sociais. A título de exemplo, o Sporting CP regista, neste momento, 45% do número de fãs do SL Benfica no Facebook. Em relação aos websites dos dois clubes, neste momento, o slbenfica.pt está melhor colocado tanto a nível nacional como internacional.
[table id=278 /]
Qual é o seu palpite para este jogo?
Notas: (1) Dados recolhidos a 31 de Agosto de 2013; (2) Na contagem dos troféus foram consideradas as seguintes competições: Campeonato do Mundo de Clubes, UEFA Champions League (Taça dos Clubes Campeões Europeus), Supertaça Europeia, Taça das Taças, Taça Intercontinental, Taça UEFA (UEFA Europa League), Taça Intertoto, Liga Portuguesa, Campeonato de Portugal, Supertaça de Portugal, Taça da Liga Portuguesa, Taça de Portugal; (3) Foram contabilizados apenas os títulos em competições internacionais e nacionais não tendo sido considerados os títulos regionais.

No seguimento do artigo publicado em Junho de 2013, apresentamos o primeiro ranking atualizado do número de fãs no Facebook dos clubes que vão competir na Barclays Premier League 13/14.
Relativamente à totalidade dos clubes, com a entrada do Cardiff City, Hull City e Crystal Palace e a saída do Wigan, Reading e Queens Park Rangers, verifica-se que, entre Junho e Julho de 2013, o número de fãs cresceu cerca de 1% (inferior ao período anterior) atingindo os 89,8 milhões de seguidores.
Relativamente às posições ocupadas pelos clubes, não se registaram quaisquer alterações. O Manchester United, o Chelsea e o Arsenal continuam a ocupar o pódio, seguidos pelo Liverpool. Em conjunto, os quatro primeiros clubes agregam 88% do total de fãs sendo 38% do Manchester United.
Os clubes que apresentaram as maiores taxas de crescimento foram o West Bromwich e o Southampton.
[table id=262 /]
Nota 1: Valores arredondados aos milhares.
Nota 2: Valores recolhidos a 22 de Julho de 2013.