Artigo originalmente publicado em www.totalfootballanalysis.com.

Após analisar a Barclays Premier League, observamos hoje a relação entre o desempenho desportivo e o salário anual médio pago por jogador pelos clubes da Serie A italiana.

Numa primeira fase, iremos analisar individualmente cada época entre 2016/2017 e 2019/2020 (até à jornada 29) de modo a aferir quais os clubes que atingiram melhores resultados entre estas duas variáveis. De seguida, examinaremos os 15 clubes que permaneceram na Serie A durante este período e como se comportaram desportivamente face ao salário médio pago por jogador.

2016/2017

Na edição de 2016/2017 da liga italiana, a Juventus (quem mais poderia ser?) sagrou-se campeã apresentando o salário anual médio por jogador mais elevado.

De uma perspectiva positiva, a Atalanta alcançou a 4ª posição na competição com apenas o 14º salário mais elevado. No lado oposto, o Genoa foi o caso de menor sucesso terminando a liga no 16º lugar com o 8º salário médio mais alto.

A Juventus, a AS Roma, o Torino e o Sassuolo apresentaram a mesma posição no ranking de salários por jogador e na competição.

2017/2018

Na época seguinte, a Juventus venceu uma vez mais a liga italiana com o salário anual médio por jogador mais alto.

A Alatanta foi novamente a surpresa alcançando a 7ª posição no campeonato apenas com o 13º salário médio mais elevado. Pelo contrário, o AC Milan, o Bologna e o Hellas Verona foram os casos de menor sucesso: o gigante de Milão terminou o campeonato na 6ª posição com o 2º salário anual médio mais elevado, o Bologna alcançou o 15º posto com o 11º salário mais elevado, e o Hellas Verona terminou na 19ª posição com o 15º valor mais elevado.

Apenas a Juventus apresentou a mesma posição na liga e no ranking de salários.

2018/2019

A época passada não fugiu à regra e a Juventus venceu novamente o campeonato apresentando também, uma vez mais, o salário médio mais elevado.

No lado positivo, a Atalanta alcançou o 3º posto com apenas o 13º salário médio por jogador mais alto. De uma perspetiva negativa, a Fiorentina foi o caso de menor sucesso terminando a liga na 16ª posição com o 8º salário médio mais elevado.

A Juventus, o Torino, a Sampdoria, o Bologna e o Frosinone apresentaram as mesmas posições no ranking de salários e no campeonato.

2019/2020

Com 24 jogos realizados, a Juventus está muito perto de alcançar novo título com o salário médio por jogador mais elevado.

De uma perspectiva positiva, o Hellas Verona tem realizado um campeonato incrível encontrando-se na 7ª posição com o 2º salário médio por jogador mais baixo da liga. No lado oposto, o Torino é, até ao momento, a desilusão encontrando-se no 14º lugar apresentando o 7º salário médio mais elevado.

Apenas a Juventus e o Internazionale têm ocupado as mesmas posições no campeonato e no ranking de salário médio por jogador.

2016/2017 a 2019/2020 – Que clube melhor rentabiliza o salário pago aos seus jogadores

Por ultimo, analisamos o desempenho e salários dos 15 clubes que permaneceram na Serie A entre 2016/2017 e 2019/2020.

A gigante Juventus, habitual campeã, é o clube com o salário anual médio por jogador mais elevado. A Atalanta com recentes campanhas brilhantes, é o clube com mais sucesso quando comparamos o seu desempenho desportivo com o salário anual médio pago por jogador, tendo alcançado, em média, o 5º lugar apenas com o 13º salário médio mais elevado.

Artigo originalmente publicado em www.totalfootballanalysis.com.

Iniciamos hoje a publicação de um conjunto de artigos que analisam a relação entre o desempenho desportivo e o salário anual médio pago por jogador pelos clubes dos 5 principais campeonatos europeus (Bundesliga, La Liga, Ligue 1, Premier League, e Serie A). Começaremos pela espectacular liga inglesa, a Barclays Premier League.

Numa primeira fase, iremos analisar individualmente cada época entre 2016/2017 e 2019/2020 (até à jornada 29) de modo a aferir quais os clubes que atingiram melhores resultados entre estas duas variáveis. De seguida, examinaremos os 14 clubes que permaneceram na Premier League durante este período e como se comportaram desportivamente face ao salário médio pago por jogador.

2016/2017

Na edição de 2016/2017 da liga inglesa, o Chelsea sagrou-se campeão apresentando o 3º salário anual médio por jogador mais elevado.

De uma perspectiva positiva, o Bournemouth alcançou a 9ª posição na competição com apenas o 19º salário mais elevado. No lado oposto, o Sunderland foi o caso de menor sucesso terminando a liga no último lugar com o 13º salário médio mais alto.

Apenas o Hull City apresentou a mesma posição no ranking de salários por jogador e na competição.

2017/2018

Na época seguinte, o Manchester City regressou às vitórias vencendo a liga inglesa com o 2º salário anual médio por jogador mais alto.

O Burnley foi a surpresa alcançando a 7ª posição no campeonato apenas com o 18º salário médio mais elevado. Pelo contrário, o West Bromwich terminou a liga na última posição com o 12º salário mais elevado.

O Crystal Palace, Everton e Leicester apresentaram a mesma posição na liga e no ranking de salários.

2018/2019

Na época passada, o Manchester City venceu novamente o campeonato apresentando também, uma vez mais, o 2º salário médio mais elevado.

No lado positivo, a “armada portuguesa” do Wolverhampton, liderada por Nuno Espírito Santo, alcançou o 7º posto com apenas o 14º salário médio por jogador mais alto. De uma perspetiva negativa, o Manchester United e o Southampton foram os casos de menor sucesso terminando a liga na 6ª e 16ª posições com o 1º e 11º salários médios mais elevados.

Apenas o Chelsea e o Arsenal apresentaram as mesmas posições no ranking de salários e no campeonato.

2019/2020

Com 29 jogos realizados, o Liverpool está muito perto de alcançar o título várias décadas depois com o 3º salário médio por jogador mais elevado.

De uma perspectiva positiva, o Sheffield United tem realizado um campeonato incrível encontrando-se na 6ª posição com o salário médio por jogador mais baixo da liga. No lado oposto, o West Ham é, até ao momento, a desilusão encontrando-se no 16º lugar apresentando o 9º salário médio mais elevado.

Apenas o Newcastle tem ocupado a mesma posição no campeonato e no ranking de salário médio por jogador.

2016/2017 a 2019/2020 – Que clube melhor rentabiliza o salário pago aos seus jogadores

Por ultimo, analisamos o desempenho e salários dos 14 clubes que permaneceram na Premier League entre 2016/2017 e 2019/2020.

Os dois gigantes de Manchester são os clubes com o salário anual médio por jogador mais elevado. O Burnley com campanhas brilhantes nas últimas épocas, é o clube com mais sucesso quando comparamos o seu desempenho desportivo com o salário anual médio pago por jogador, tendo alcançado, em média, o 12º lugar apenas com o 18º salário médio mais elevado.

 

O Futebol vive de golos, todos o sabemos. Além do espectáculo que proporcionam, permitem aos clubes acumularem pontos de modo a alcançarem os seus objectivos, sejam eles desportivos ou financeiros.

Dependendo da sua envolvente, dos plantéis de que dispõem, da sua cultura de jogo, do próprio sucesso da sua estratégia desportiva e empresarial e dos desafios que lhes são colocados pelos seus adversários, apresentam diferentes volumes de golos marcados e, em determinados casos, marcando menos do que outros mas conseguindo obter pontuações significativas permitindo-lhes atingirem classificações confortáveis ao longo das épocas.

Cada clube adapta a sua estratégia aos seus objetivos e condicionantes acabando por adoptar diferentes modelos de jogo que convergem em maiores ou menores percentagens de posse de bola.

O Football Industry analisou esta temática verificando o desempenho dos 73 clubes que permaneceram nas principais divisões de Alemanha, Espanha, França, Inglaterra, Itália e Portugal entre as épocas 2014/2015 e 2018/2019.

Assim, apresentamos em baixo o ranking das equipas que apresentam melhor relação entre posse de bola e golos marcados, nomeadamente que, dispondo de menos posse de bola, alcançaram um maior número de golos.

 

Siga-nos no Facebook https://www.facebook.com/FootballIndustry e no Instagram https://www.instagram.com/football.industry/

A UEFA Champions League, desde que assumiu esta designação em 1992/1993, leva já 27 edições. Neste período, foram 13 os clubes que a venceram oriundos de 7 países diferentes. O principal destaque vai para os colossos espanhóis Real Madrid CF e FC Barcelona com um total de 11 edições ganhas (41%) que fazem da Espanha o país com mais vitórias na UCL desde 1992/1993.

Apenas por duas vezes a UCL não foi ganha por um clube dos países chamados “Big-5”: em 1994/1995 pelo AFC Ajax (Holanda) e em 2003/2004 pelo FC Porto (Portugal).

 

Em teoria, países com maior população aliada a infraestruturas e profissionais de qualidade, terão tendência para apresentarem instituições desportivas mais capazes de alcançar títulos importantes, como é o caso, por exemplo, da Alemanha. No entanto, devem ser considerados vários factores de modo a retirarmos conclusões válidas. Um deles prende-se com o volume da população do país. Neste aspecto, Espanha e Portugal são os que apresentam melhor rácio quando comparamos o número de edições ganhas com o volume populacional.

Siga-nos no Facebook https://www.facebook.com/FootballIndustry e no Instagram https://www.instagram.com/football.industry/

Num momento difícil para o Futebol e em que alguns campeonatos foram cancelados e outros serão retomados em breve com restrições, o Football Industry regressa hoje aos relvados com novos artigos.

O Futebol vive de golos, todos o sabemos. Além do espectáculo que proporcionam, permitem aos clubes acumularem pontos de modo a alcançarem os seus objectivos, sejam eles desportivos ou financeiros.

Dependendo da sua envolvente, dos plantéis de que dispõem, da sua cultura de jogo, do próprio sucesso da sua estratégia desportiva e empresarial e dos desafios que lhes são colocados pelos seus adversários, apresentam diferentes volumes de golos marcados e, em determinados casos, marcando menos do que outros mas conseguindo obter pontuações significativas permitindo-lhes atingirem classificações confortáveis ao longo das épocas.

O Football Industry analisou esta temática verificando o desempenho dos 73 clubes que permaneceram nas principais divisões de Alemanha, Espanha, França, Inglaterra, Itália e Portugal entre as épocas 14/15 e 18/19.

Numa primeira observação, tendo por base os clubes e o período acima referidos, verifica-se que Liga NOS e a Ligue 1 apresentam os campeonatos com a maior rentabilidade do golo (cada golo marcado representa, em média, 1,10 pontos obtidos) seguindo-se a Liga Santander e a Serie A com 1,04, a Premier League com 1,02 e a Bundesliga com 0,95.

Estes resultados estão fundamentalmente relacionados com o menor número médio de golos marcados pelos clubes portugueses e franceses face aos outros campeonatos, comparativamente com o número de pontos que no final da temporada conseguem obter. Assim, a título de exemplo, nas últimas 5 épocas, em média, os clubes portugueses atingiram 47 pontos marcando apenas 44 golos enquanto que na Alemanha foram necessários 49 golos para uma pontuação de 47.

Podem ser analisados também outros números para que possamos entender ainda melhor esta realidade, nomeadamente, o número médio de remates por jogo realizado por cada equipa e a sua taxa de conversão (percentagem de remates transformados em golo). Neste âmbito, considerando as épocas 16/17, 17/18 e 18/19, a Liga NOS apresenta o menor número médio de remates por jogo a par da Liga Santander (12,1) sendo a Serie A o que apresenta o valor mais elevado (13,4). No entanto, a Liga NOS apresenta a mais alta taxa de conversão (11,5%) seguida da Bundesliga (11,4%). No entanto, é importante referir que se retirarmos SL Benfica, FC Porto e Sporting CP da análise, tanto o número de remates por jogo como a taxa de conversão decrescem significativamente para 11,3 e 9,9%, respectivamente.

A relação entre os pontos conquistados e a taxa de conversão dos 73 clubes analisados entre 14/15 e 18/19, permite-nos observar o comportamento global dos clubes nos campeonatos analisados podendo, de seguida, analisar os clubes individualmente com base numa estimativa avaliando assim o seu desempenho.

Assim, apresentamos em baixo o ranking dos 73 clubes em função da sua capacidade de rentabilização dos golos marcados em pontos. Verificamos que clubes como o Nantes, Atlético de Madrid e Juventus alcançaram melhores pontuações médias do que o esperado face à taxa de conversão que apresentaram e à relação observada no gráfico em cima.

Nantes:

  • Pontuação média 14/15-18/19: 49
  • Taxa média de conversão 14/15-18/19: 7,9%
  • Pontuação média esperada 14/15-18/19: 42
  • Resultado: 7 pontos acima do esperado

Atlético de Madrid:

  • Pontuação média 14/15-18/19: 80
  • Taxa média de conversão 14/15-18/19: 13,8%
  • Pontuação média esperada 14/15-18/19: 72
  • Resultado: 8 pontos acima do esperado

Juventus:

  • Pontuação média 14/15-18/19: 91
  • Taxa média de conversão 14/15-18/19: 12,9%
  • Pontuação média esperada 14/15-18/19: 67
  • Resultado: 24 pontos acima do esperado

O índice “Football Industry Return on Investment Index” procura analisar o impacto do investimento realizado pelos clubes no mercado de transferências de 2013/14 no seu desempenho na liga nacional. Este impacto é verificado comparando os pontos acumulados pelo clube até ao momento com o número que apresentava em 2012/13, à mesma jornada, sendo esta diferença posteriormente confrontada com o investimento realizado.
A título de exemplo, o Liverpool, à 17ª jornada da época corrente, apresenta um crescimento de 0,23 pontos, face a 2012/13, por cada milhão de Euros investido no mercado de transferências de 2013/14.
[table id=321 /]
NOTAS: (1) Pontos Adicionais por cada Milhão Investido = Diferença Pontual, à mesma jornada, entre 2013/14 e 2012/13 : Investimento realizado no Mercado de Transferências de 2013/14; (2) Taxa de Câmbio 01 Novembro de 2013: 1 GBP = 1,19708 EUR; (3) Apenas foram consideradas as equipas que permaneceram nas ligas analisadas entre 2012/13 e 2013/14; (4) Dados analisados até 24 de Dezembro de 2013: Bundesliga – 17ª jornada, Ligue 1 – 19ª jornada, Liga BBVA – 17ª jornada, Barclays Premier League – 17ª jornada, e Serie A – 17ª jornada.
Siga-nos no Facebook! https://www.facebook.com/FootballIndustry

Por vezes pensamos que o facto de um clube ser líder no final da primeira volta do campeonato pouco ou nada significa. Será que é mesmo assim?
O Football Industry comparou os líderes no final da primeira volta das Ligas Alemã, Espanhola, Francesa, Inglesa, Italiana e Portuguesa com os vencedores das referidas competições entre as épocas 1993/1994 e 2012/2013 (vinte temporadas).
No quadro em baixo, podemos verificar que, sobretudo em Espanha e Itália, o facto de se ser líder no final da primeira volta, significa ter uma probabilidade muito elevada de terminar em primeiro lugar no final da competição.
[table id=317 /]
Siga-nos no Facebook! https://www.facebook.com/FootballIndustry

Nas últimas épocas tem sido discutido nos diversos campeonatos europeus, a presença de um cada vez menor número de jogadores nacionais nos 11 iniciais das equipas, tendo este facto consequências negativas para as respectivas selecções nacionais.
O Football Industry analisou os 11 iniciais de 148 clubes de 8 campeonatos diferentes nas 3 primeiras jornadas de 2012/2013 e 2013/2014 com o intuito de:
1-Verificar o número médio de jogadores nacionais nas equipas titulares;
2-Analisar a disparidade entre os clubes com maior e menor reputação no que respeita à aposta em jogadores locais;
3-Registar a equipa-tipo de cada campeonato (alinhadas por nacionalidades);
4-Registar as equipas com mais e menos jogadores locais por campeonato; e
5-Verificar a posição ocupada pelos jogadores portugueses escolhidos para o 11 inicial nos jogos da Liga ZON Sagres.
No período analisado, a Eredivisie (Liga Holandesa) foi aquela que apresentou um maior número de jogadores nacionais nos 11 iniciais dos seus clubes, tendo registado um valor médio de 7,3 em 2013/2014 e de 7,0 em 2012/2013. As Ligas Espanhola (Liga BBVA) e Francesa (Ligue 1) completam o pódio tendo apresentado, em média, 6,7 e 5,8 jogadores locais por 11 inicial em 2013/2014. Foram também consideradas a Liga Alemã (Bundesliga), a Liga Belga (Jupiler Pro League), a Liga Inglesa (Barclays Premier League), a Liga Italiana (Serie A) e a Liga Portuguesa (Liga ZON Sagres).
O estudo completo pode ser consultado em baixo.
[gview file=”http://football-industry.com/wp-content/uploads/Nacionalidades_no_11_Inicial.pdf” save=”0″]
Este estudo foi discutido no programa Maisfutebol, da TVI24, no dia 18 de Outubro de 2013.
[youtube id=”reGx-AuMa9I”]
Siga-nos no Facebook! https://www.facebook.com/FootballIndustry

Na passada quinta-feira, realizou-se o sorteio da fase de grupos da edição de 2013/2014 da UEFA Champions League. Neste sentido, o Football Industry recolheu os prémios de desempenho recebidos pelos clubes participantes nas competições da UEFA entre 2009/2010 e 2012/2013 (não incluem as receitas de market pool).
No documento em baixo, poderá consultar os valores recebidos pelas 32 equipas presentes na fase de grupos da UEFA Champions League 2013/2014 nos últimos quatro anos.
Estes valores permitem-nos também analisar as disparidades entre os grupos sorteados e entre as equipas de cada grupo. Assim, os grupos H (Barcelona, AC Milan, Ajax e Celtic) e D (Bayern Munchen, CSKA Moskva, Manchester City e Viktoria Plzen) são aqueles que, em termos agregados, reúnem o maior montante de prémios da UEFA recebidos nos últimos quatro anos. Paralelamente, o grupo G encontra-se no lado oposto (FC Porto, Zenit, Atlético de Madrid e Austria Wien) reunindo apenas 98,4 milhões de Euros. O grupo D inclui também o cabeça-de-série com o maior peso no total de prémios do seu grupo (Bayern Munchen).
Relativamente à disparidade entre os clubes do mesmo grupo, considerando a diferença do peso de cada clube face ao total de prémios do seu grupo, verifica-se que os grupos F (Arsenal, Borussia Dortmund, Olympique Marseille e Napoli) e C (SL Benfica, Olympiacos, Paris Saint-Germain e Anderlecht) são os mais equilibrados. O grupo A (Manchester United, Shakhtar Donetsk, Bayer Leverkusen e Real Sociedad) encontra-se no polo contrário.
No documento em baixo poderá consultar uma análise mais detalhada.
[gview file=”http://football-industry.com/wp-content/uploads/Prémios_Equipas_Fase_Grupos_CL_13-14.pdf” save=”0″]
Notas: (1) Foram considerados os valores atribuídos pela UEFA aos clubes que participaram na UEFA Champions League e UEFA Europa League entre 2009/10 e 2012/13; (2) Os valores apresentados não incluem as receitas de market pool.
Siga-nos no Facebook! https://www.facebook.com/FootballIndustry

Tipicamente, determinadas ligas apresentam uma rotação de jogadores entre clubes internos e externos bastante significativa. Esta situação tende a suceder sobretudo em ligas consideradas menos competitivas e que seguem uma estratégia de formação e exportação de atletas.
Neste sentido, o Football Industry comparou o 11 inicial apresentado pelos clubes na última jornada de 2012/2013 com a equipa que entrou em campo na primeira jornada de 2013/2014. Foram analisadas as seguintes competições: Bundesliga (Alemanha), Liga BBVA (Espanha), Ligue 1 (França), Eredivisie (Holanda), Barclays Premier League (Inglaterra) e Liga ZON Sagres (Portugal).
RESUMO
Em termos gerais, as ligas espanhola e portuguesa apresentam o maior número médio de alterações no 11 inicial, sendo estas referentes, sobretudo, a jogadores que não faziam parte dos plantéis em 2012/2013.
A Bundesliga e a Barclays Premier League, consideradas, neste momento, as mais competitivas, apresentam o valor médio de alterações no 11 inicial mais baixo, distribuído igualmente entre jogadores que já faziam parte dos plantéis e novas contratações para 2013/2014.
[table id=271 /]
IMPACTO DE UM NOVO TREINADOR
Analisando o impacto da chegada de um novo treinador no início de 2013/2014, observa-se que, em termos médios, apenas na Holanda e em Portugal esta situação originou um maior número de alterações face ao 11 inicial apresentado na última jornada da época anterior.
[table id=272 /]
[table id=273 /]
[gview file=”http://football-industry.com/wp-content/uploads/Alterações_11_Inicial1.pdf” save=”0″]
Este estudo foi discutido no programa Maisfutebol, da TVI24, no dia 23 de Agosto de 2013.
[youtube id=”cgW0Yi74h0U”]
NOTAS: 1.Apenas foram consideradas as equipas que permaneceram na divisão em análise entre as épocas 12/13 e 13/14; 2.As contratações incluem regressos de empréstimo; 3.Sascha Lewandowski saiu da equipa técnica do Bayer Leverkusen. Contudo, permaneceu Sami Hyypia; 4.No caso da liga holandesa foram incluídos na análise os jogos realizados no play-off; 5.A Serie A italiana não foi incluída dado apenas se iniciar no dia 25 de Agosto.
Siga-nos no Facebook! https://www.facebook.com/FootballIndustry