A presente conjuntura criada pelo COVID-19, constitui uma possível mudança e oportunidade/desafio no mercado de patrocínios da indústria do futebol. Face aos recentes acontecimentos, muitas marcas decidiram reavaliar as suas estratégias e os contratos em vigor.

De acordo com dados da KPMG, o valor de patrocínios nas 5 principais ligas europeias (Bundesliga, La Liga, Ligue 1, Premier League e Serie A), os que mais atraem as marcas, ascende a 3.300 milhões por ano sendo que um terço corresponde ao patrocínio da frente das camisolas.

A Premier League destaca-se claramente gerando 832 milhões de Euros anualmente, quase o dobro da La Liga com 436 milhões de Euros por ano. O gráfico em baixo permite também ver a diferença de realidades face a outras ligas como a turca (SuperLig) e a holandesa (Eredivisie).

Tal como sucede com outros fluxos de receita, existe também polarização dentro de cada liga. A título de exemplo, os 6 principais clubes da Premier League agregam 83% do valor total do campeonato e, em Espanha, Real Madrid e Barcelona reúnem 80% do valor. Os elevados valores recebidos por estes clubes ultrapassam, inclusive, os globais de ligas como a SuperLig e a Eredivisie.

Com o final abrupto da Ligue 1 devido à pandemia e a nova conquista do Paris Saint-Germain, apresentamos-lhe a relação entre a valorização dos plantéis e a posição alcançada no campeonato bem como o impacto na referida valorização devido à pandemia do COVID-19.

O grande vencedor nesta análise é, sem dúvida, o Stade de Reims ao alcançar a 5ª posição no campeonato apresentando apenas o 13º plantel mais valioso (78 milhões de Euros em 07/2019 e 74 milhões em 07/2020). Com um registo muito baixo de golos marcados e sofridos (26 vs. 21), para este feito, muito contribuiram as boas exibições de Hassane Kamara, Yunis Abdelhamid, Xavier Chavalerin e Predrag Rajkovic. Recordamos que o Stade de Reims, na presente época, apresentou também apenas o 4º salário médio por jogador mais baixo da competição conforme apresentámos anteriormente aqui.

O Stade Brest destacou-se igualmente alcançando a 14ª posição no campeonato com o plantel menos valorizado no início da competição e o 2º salário médio por jogador mais baixo da Ligue 1. Esta época destacaram-se fundamentalmente Gautier Larsonneur e Gaetan Charbonnier.

Por outro lado, a grande desilusão acabou por ser o AS Saint-Étienne que, com um plantel actualmente avaliado em cerca de 74 milhões de Euros e o 10º mais valioso no início da temporada, não foi capaz de ir além do 17º lugar da liga francesa.

Entre 1 de Abril e 15 de Junho os valores de mercado dos plantéis sofreram uma quebra abrupta devido à pandemia, na ordem dos 18%, com o principal prejudicado a ser o PSG devido à desvalorização dos seus jogadores em cerca de 177 milhões de Euros.

Valores de mercado correspondentes a 15/07/2019 e 15/07/2020.

Desvalorização COVID-19 – diferença entre o valor de mercado a 01/04/2020 e a 15/06/2020.

Valores em milhões de Euros.

Com o final da Bundesliga conquistada novamente pelo Bayern Munchen, apresentamos-lhe a relação entre a valorização dos plantéis e a posição alcançada no campeonato bem como o impacto na referida valorização devido à pandemia do COVID-19.

Os grandes destaques foram, sem dúvida, o SC Freiburg e o FC Union Berlin ao alcançarem a 8ª e 11ª posições, respectivamente, no campeonato apresentando o 2º e 5º plantéis com o menor valor de mercado (37 e 114 milhões de Euros no início da época).

Da parte do SC Freiburg, muito contribuiram Nils Petersen, Lucas Holer e Jonathan Schmid marcando 24 dos 48 golos da equipa mas também as boas exibições de Nicolas Hofler. Recordamos que o SC Freiburg, é também o clube que melhor rentabiliza os salários que paga aos seus atletas conforme mostrámos anteriormente aqui.

O FC Union Berlin destacou-se igualmente fundamentalmente com o contributo de Christopher Trimmel e Sebastian Andersson. A equipa de Berlim apresentou também esta época o 2º salário médio por jogador mais baixo da competição.

Simultaneamente, a grande desilusão acabou por ser o Werder Bremen que, com um plantel actualmente avaliado em cerca de 119 milhões de Euros e o 12º mais valioso no início da temporada, não foi capaz de ir além do 16º lugar da liga alemã.

Entre 1 de Abril e 15 de Junho os valores de mercado dos plantéis sofreram uma quebra abrupta devido à pandemia, na ordem dos 18%, com o principal prejudicado a ser o Bayern Munchen devido à desvalorização dos seus jogadores em cerca de 180 milhões de Euros. Com o reatamento dos campeonatos estes valores têm vindo lentamente a subir em alguns casos.

Valores de mercado correspondentes a 15/07/2019 e 15/07/2020.

Desvalorização COVID-19 – diferença entre o valor de mercado a 01/04/2020 e a 15/06/2020.

Valores em milhões de Euros.

Com o final da La Liga conquistada pelo Real Madrid e com Messi como principal artilheiro, apresentamos-lhe a relação entre a valorização dos plantéis e a posição alcançada no campeonato bem como o impacto na referida valorização devido à pandemia do COVID-19.

O grande vencedor nesta análise é, sem dúvida, o Granada CF ao alcançar a 7ª posição no campeonato apresentando o plantel com o menor valor de mercado (22 milhões de Euros em 07/2019 e 52 milhões em 07/2020). Para este feito, muito contribuiram Carlos Fernández, Darwin Machis, Antonio Puertas e Roberto Soldado marcando 31 dos 52 golos da equipa mas também as boas exibições de Yangel Herrera e Victor Díaz. Recordamos que o Granada CF, na presente época, apresentou também apenas o 5º salário médio por jogador mais baixo da competição conforme apresentámos anteriormente aqui.

O CA Osasuna destacou-se igualmente alcançando a 10ª posição no campeonato com o 3º plantel menos valorizado no início da competição e o salário médio por jogador mais baixo da La Liga.  No clube de Pamplona destacaram-se fundamentalmente Chimy Avila, Pervis Estupiñán, Rúben Garcia e Roberto Torres.

Por outro lado, a grande desilusão acabou por ser o RCD Espanyol que, com um plantel actualmente avaliado em cerca de 130 milhões de Euros e o 11º mais valioso no início da temporada, não foi capaz de abandonar o último lugar da liga espanhola e irá competir na segunda divisão em 2020/2021.

Entre 1 de Abril e 15 de Junho os valores de mercado dos plantéis sofreram uma quebra abrupta devido à pandemia, na ordem dos 20%, com o principal prejudicado a ser o FC Barcelona devido à desvalorização dos seus jogadores em cerca de 200 milhões de Euros. Com o reatamento dos campeonatos estes valores têm vindo lentamente a subir em alguns casos.

As redes sociais são, sem dúvida, a forma mais rápida e abrangente de que os clubes dispõem para comunicar com os seus adeptos. Hoje apresentamos-lhe o terceiro ranking dos clubes da Liga NOS nas redes sociais relativamente ao seu número total de seguidores. Nesta edição foram adicionados os números do Youtube.

Em termos agregados, verifica-se que o número de fãs dos clubes presentes nesta edição da Liga NOS no mês corrente corresponde a um total de 20.278.500, o que corresponde a um aumento de 0,5% face ao mês de Junho não contabilizando os números do Youtube de Julho. O Facebook agrega 58% dos seguidores enquanto que o Instagram representa 22%, o Twitter 18% e o Youtube 2%.

Em relação aos clubes, o FC Porto, SL Benfica e o Sporting CP permanecem no pódio com um crescimento mensal na ordem dos 0,5%, seguidos pelo SC Braga, sendo que os três primeiros clubes agregam 88% do total de fãs.

Nota 1: Valores arredondados às centenas.

Nota 2: Valores recolhidos a 20 de Julho de 2020.

Siga-nos no Facebook https://www.facebook.com/FootballIndustry e no Instagram https://www.instagram.com/football.industry/

Com a decisão de todos os jogos a partir da 25ª jornada serem realizados à porta fechada, apesar de ainda faltarem cumprir 3 jornadas para o final do campeonato, o Football Industry apresenta-lhe o ranking de assistências nos estádios da edição de 2019/2020 da Liga NOS.

Face a este novo paradigma, os clubes realizaram apenas 12 jogos com público com excepção do FC Paços de Ferreira com 13 e do Portimonense com 11. Este facto, levou a uma perda estimada de cerca de 1 milhão de espectadores com o consequente impacto nas receitas de bilhética e quotizações dos clubes.

Tal como nas épocas anteriores, as disparidades entre os chamados “3 Grandes” (SL Benfica, FC Porto e Sporting CP) são assinaláveis. Na época que ainda decorre, os três clubes registaram 59% do total de espectadores da competição com uma média de 39.446 adeptos por jogo e uma taxa de ocupação média de 71%. Estes números contrastam com os dos restantes 15 clubes da Liga NOS: registaram 41% do total de espectadores da competição, uma média de 5.479 adeptos por jogo e uma taxa média de ocupação de 44%.