No seguimento dos artigos anteriormente publicados, apresentamos hoje o segundo ranking abrangendo as equipas que competem na edição de 2020/2021 da Liga NOS.

Hoje apresentamos-lhe o ranking de Novembro dos clubes da Liga NOS nas redes sociais relativamente ao seu número total de seguidores. No presente mês, CD Nacional e CD Santa Clara ascenderam ambos um lugar face ao mês anterior.

Em termos agregados, verifica-se que o número de fãs dos clubes presentes nesta edição da Liga NOS no mês corrente corresponde a um total de 21.158.000, o que corresponde a um aumento de 1% face ao mês de Agosto. O Facebook agrega 56% dos seguidores enquanto que o Instagram representa 24%, o Twitter 18% e o Youtube 2%.

Em relação aos clubes, o FC Porto, SL Benfica e o Sporting CP permanecem no pódio com um crescimento mensal na ordem dos 0,3%, seguidos pelo SC Braga, sendo que os três primeiros clubes agregam 87% do total de fãs.

Nota 1: Valores arredondados às centenas.

Nota 2: Valores recolhidos a 29 de Novembro de 2020.

Os clubes da Liga NOS têm, tipicamente, um perfil exportador no que toca às suas vendas sendo esta uma das, ou a, sua principal fonte de receita. Neste sentido, formar jogadores, ou adquiri-los ainda com margem de progressão para realização de futuras mais-valias, torna-se absolutamente essencial para sustentar o modelo de negócio praticado.

No entanto, será que no momento de adquirirem jogadores, os clubes da principal liga nacional, olham fundamentalmente para o mercado interno?

Para procurar responder a esta questão, o Football Industry analisou as contratações dos clubes que fizeram parte da Liga NOS nas épocas 18/19, 19/20 e 20/21.

No período analisado, em termos de volume de investimento, os “3 Grandes” encabeçam naturalmente a lista com um total estimado de 61 milhões em aquisições internas. Neste capítulo, o FC Porto destaca-se dos demais tendo recentemente investido cerca de 15,5 milhões de Euros nas transferências de Nanu (ex-CS Marítimo), Zaidu (ex-CD Santa Clara), Toni Martinez (ex-FC Famalicão) e Medhi Taremi (ex-Rio Ave FC).

Top-5 Investimento 18/19-20/21 (Mercado de Verão)

No entanto, quando analisamos de uma perspectiva de número de jogadores contratados no mercado interno, o Moreirense FC destaca-se claramente seguido Vitória SC, CD Tondela e CD Santa Clara.

Outro aspecto verificado, prende-se com a maior aposta no mercado interno quando o número de equipas treinadas por técnicos nacionais é superior.

Top-5 Número de Jogadores 18/19-20/21 (Mercado de Verão)

NOTAS:

  • *”Entradas”: Não contabilizados fins de empréstimo e promoções da equipa B, sub-23 e sub-19.
  • **”Mercado Nacional”: Apenas consideradas transacções entre clubes nacionais (empréstimo ou compra) e jogadores sem clube caso tenham actuado em Portugal na época 19/20.
  • Apenas foi considerado o mercado de Verão.

No seguimento dos artigos anteriormente publicados, apresentamos hoje o segundo ranking abrangendo as equipas que competem na edição de 2020/2021 da Liga NOS.

Hoje apresentamos-lhe o ranking de Outubro dos clubes da Liga NOS nas redes sociais relativamente ao seu número total de seguidores. No presente mês, o FC Porto ultrapassou os 7 milhões de seguidores.

Em termos agregados, verifica-se que o número de fãs dos clubes presentes nesta edição da Liga NOS no mês corrente corresponde a um total de 21.031.300, o que corresponde a um aumento de 1% face ao mês de Agosto. O Facebook agrega 56% dos seguidores enquanto que o Instagram representa 24%, o Twitter 18% e o Youtube 2%.

Em relação aos clubes, o FC Porto, SL Benfica e o Sporting CP permanecem no pódio com um crescimento mensal na ordem dos 1%, seguidos pelo SC Braga, sendo que os três primeiros clubes agregam 87% do total de fãs.

Nota 1: Valores arredondados às centenas.

Nota 2: Valores recolhidos a 25 de Outubro de 2020.

Desde o momento em que surgiu a pandemia e os campeonatos foram interrompidos, rapidamente se observaram quedas no valor de mercado dos jogadores e se esperou um decréscimo e estagnação no mercado de transferências sustentado por um decréscimo nas receitas geradas dos clubes pela impossibilidade de participação dos adeptos. A partir desse momento, os clubes perderam receitas de bilhética (anual e jogo a jogo) e registaram decréscimos evidentes em receitas com quotas, inscrições, merchandising, entre outras.

Volume de Investimento

Quando analisamos o volume de investimento dos clubes das 5 principais ligas europeias (Premier League, Serie A, Ligue 1, La Liga e Bundesliga) verificamos que houve uma clara redução totalmente em contra-ciclo. Depois de um investimento recorde no mercado de inverno de 2020 (1.310 milhões de Euros em Janeiro), o mercado que terminou recentemente regrediu para valores perto dos de 2015 (3.310 milhões de Euros).

Analisando as ligas individualmente, a Premier League continua a ser o campeonato onde há maior investimento e também onde menos se notaram quebras (-10%). Em termos percentuais, a La Liga registou a maior quebra (-75%) não tendo existido, por exemplo, investimento por parte de clubes como o Real Madrid que neste defeso se revelou um clube vendedor registando cerca de 100 milhões de Euros com jogadores considerados excedentários e que haviam regressado de empréstimo.

Tipos de Transferência

O menor investimento do mercado de tranferências de 20/21 reflectiu-se também no tipo de contratações realizadas pelos clubes dando maior primazia a jogadores livres e emprestados. Em termos gerais, nos Big-5 o peso das contratações de jogadores livres cresceu 6,1% (32,3% em 2020) e dos jogadores emprestados 6,9% (30% em 2020).

Individualmente, no que se refere às contratações de jogadores livres, verificou-se um aumento significativo na Bundesliga (15,3%) tendo apenas decrescido na Premier League (-1,0%).

Relativamente a contratações por empréstimo, o maior crescimento registou-se na Serie A (12,9%) tendo apenas existido um decréscimo na Ligue 1 (-1,6%).

Preço de Aquisição dos Jogadores

De acordo com dados do CIES, o impacto do COVID registou-se fundamentalmente no abrandamento do investimento global dos clubes como verificámos anteriormente. A pandemia levou a que uma inflação anual de cerca de 15% entre 2015 e 2019 tenha decrescido para 6% no último ano.

Embora os preços praticados tenham continuado a aumentar apesar da pandemia, verificou-se o reforço da introdução de cláusulas com base em objectivos sendo pagas determinadas verbas apenas se os jogadores e/ou clubes compradores atingirem determinados objectivos desportivos. Verificou-se também a inclusão mais frequente de atribuição de uma percentagem ao clube vendedor em futuras transferências dos atletas. Assim, num periodo de maior incerteza e menor capacidade de investimento, os clubes optaram por soluções criativas de modo a obterem as contratações desejadas e a melhor gerirem o fundos existentes.

O Comportamento da Liga NOS

Como sabemos, a Liga NOS é historicamente um campeonato economicamente vendedor. Neste mercado, os clubes portugueses contrataram 361 atletas por um valor médio de 405 mil Euros e viram sair dos seus plantéis 283 jogadores por um valor médio superior a 889 mil Euros.

Nestes números incluem-se os empréstimos. Neste período os clubes do campeonato nacional emprestaram 121 jogadores tendo recebido 180 nestas condições.

Quando comparamos estes dados com o mercado de verão de 2019, verificamos que nesse período contrataram 367 jogadores por um valor médio de 388 mil Euros e viram sair 362 atletas por um valor médio de 1,1 milhões de Euros. Ou seja, o investimento médio por jogador em 2020 foi semelhante ao de 2019 mas a receita proveniente das vendas decresceu. Relativamente aos empréstimos, receberam 169 atletas e viram sair 148 nestas condições, números inferiores aos do mercado de 2020 sublinhando o aumento desta estratégia devido à pandemia e à menor capacidade financeira.

Balança Comercial das Ligas

De acordo com dados do Transfermarkt, de entre as ligas analisadas, os clubes da Premier League, Serie A e Ligue 1 gastaram mais do que receberam em transferências de atletas. A Liga NOS, baseando-se no seu perfil vendedor, apresentou um balanço positivo entre compras e vendas na ordem dos 105 milhões de Euros.

No seguimento dos artigos anteriormente publicados, apresentamos hoje o primeiro ranking abrangendo as equipas que competem na edição de 2020/2021 da Liga NOS.

As redes sociais são, sem dúvida, a forma mais rápida e abrangente de que os clubes dispõem para comunicar com os seus adeptos. Hoje apresentamos-lhe o ranking de Setembro dos clubes da Liga NOS nas redes sociais relativamente ao seu número total de seguidores com a entrada do CD Nacional e do SC Farense para o 9º e 16º lugares, respectivamente.

Em termos agregados, verifica-se que o número de fãs dos clubes presentes nesta edição da Liga NOS no mês corrente corresponde a um total de 20.784.800, o que corresponde a um aumento de 1% face ao mês de Agosto. O Facebook agrega 57% dos seguidores enquanto que o Instagram representa 23%, o Twitter 18% e o Youtube 2%.

Em relação aos clubes, o FC Porto, SL Benfica e o Sporting CP permanecem no pódio com um crescimento mensal na ordem dos 1%, seguidos pelo SC Braga, sendo que os três primeiros clubes agregam 88% do total de fãs.

Nota 1: Valores arredondados às centenas.

Nota 2: Valores recolhidos a 23 de Setembro de 2020.

Fundado em 1931, o Granada CF tem tido diversos proprietários e alguns percalços financeiros. Em 2009, o clube andaluz quase fechou portas devido às suas elevadas dívidas. Em 2016, tornou-se um dos primeiros clubes espanhóis a receber capital de investidores chineses. Após um período de falência tem vindo a trepar os vários escalões do futebol espanhol até regressar à La Liga em 2019/2020 realizando uma excelente temporada (7º lugar no campeonato e meias-finais da Copa del Rey) qualificando-se para as pré-eliminatórias da UEFA Europa League de 2020/2021.

O Granada CF, que conta com 6 títulos no seu currículo (1 Segunda División, 2 Segunda División B e 3 Tercera División) e 3 jogadores portugueses no actual plantel (Domingos Duarte, João Costa e Rui Silva), viu-se obrigado a romper com os laços do passado tendo, em 2018/2019, finalmente sido possível terminar os vínculos económicos com o seu anterior proprietário representando uma redução da dívida em cerca de 8 milhões de Euros. Esta dívida estava extremamente ligada à movimentação de jogadores numa fase em que contava com uma estrutura de cerca de 70 atletas maioritariamente pertencentes a entidades terceiras. Actualmente, os jogadores do plantel são activos do clube e a área de formação voltou a ser gerida por si numa estratégia de realinhamento com a comunidade local e de fornecimento de atletas para a equipa principal.

O clube andaluz tem também em andamento a construção de uma cidade desportiva que, devido à turbulência das últimas épocas, foi sendo atrasada. O projecto conta com uma residência para atletas e campos de relva artifical com todas as valências necessárias inseridas na bancada destinadas às equipas de formação e feminina num investimento total de cerca de 4 milhões de Euros. Paralelamente, o Município, em conjunto com o clube, tem também em perspectiva um projecto de requalificação do estádio do Granada CF bem como a zona circundante dotando-a de condições para atrair público para a prática de desporto e como área de lazer.

Tal como todas as restantes entidades desportivas, o Granada CF está a sentir os efeitos da pandemia. Recentemente, o seu director-geral assumiu que a pandemia lhes retirou 3 milhões de Euros em receitas na época passada reforçando que se todos os Sócios tivessem pedido a devolução do valor dos seus lugares anuais teria representado uma perda de cerca de 1,3 milhões de Euros.

Os quadros em baixo apresentam a evolução financeira mais recente do clube espanhol:

Nas últimas semanas, o Granada CF anunciou novos acordos com a Caja Rural, CaixaBank (até 2022, patrocinador desde 2011) e Winamax (até 2022).

Com 2 vitórias nos 2 primeiros jogos da La Liga 2020/2021, as expectativas são agora elevadas com vista a mais uma época de grande sucesso.