Artigo em parceria com o CDES Lab


Modelos de negócio e pontos de contacto em evolução

O modelo de negócio dos clubes tem evoluido ao longo das décadas transitando de uma base unicamente assente no papel de anfitrião de jogos no seu estádio proporcionando a melhor experiência aos seus adeptos, para organizadores de eventos e espectáculos de todos os âmbitos (desportivos, musicais, empresariais, outros), tours e actividades diárias nas suas instalações enquanto verdadeiras entidades comerciais (realidade clube-empresa).

Paralelamente, para potenciarem o seu crescimento, têm vindo a criar novas fontes de receita cimentando a sua posição ao nível do ecommerce, esports, plataformas OTT, monetização de redes sociais e aplicações digitais, entre outras.

Por conseguinte, os canais de contacto com os seus adeptos-clientes alargaram-se fazendo deles parte, além das eternas televisão e imprensa, as redes sociais, aplicações digitais, modelos de conectividade dentro e fora do estádio, anúncios audiovisuais, eventos e agências de comunicação. Para este efeito, estas entidades têm, hoje em dia, equipas qualificadas e totalmente dedicadas à gestão destas plataformas e pontos de contacto. De entre estes, as redes sociais, na última década, passaram a ser o principal veículo de comunicação, tratando-se de uma ferramenta de fácil e rápida utilização em qualquer lugar e momento, que obriga a um investimento manifestamente inferior ao de outros canais mais tradicionais, e que alcança os seus seguidores independentemente da sua localização geográfica e fuso horário.

A importância das redes sociais na estratégia dos clubes

Actualmente, proporcionar experiências de qualidade aos adeptos que não podem estar presentes no estádio é igualmente vital. A imagem e atmosfera de um estádio contribui muito para a percepção do público e do mercado em relação ao clube. Deste modo, funcionalidades como as que as redes sociais oferecem são de enorme importância, não apenas como forma de comunicação/informação rápida, mas também como uma ferramenta para que os adeptos se sintam parte do clube e do espectáculo ao ver e interagir com os conteúdos publicados e como forma de expor o estádiio como um local que qualquer adepto gostaria de visitar devido ao ambiente, aos jogadores e ao espectáculo criado em redor do jogo.

Estas plataformas, face ao referido em cima, transformaram-se também na principal ferramenta de internacionalização juntamente com os direitos televisivos. Actualmente, através das redes sociais, os clubes têm capacidade de captar novos adeptos, não necessariamente da nacionalidade do país ao qual o clube pertence, mas também perpetuar os laços à distância com os seus adeptos que não têm possibilidade de viver mais de perto e ao vivo a vida do clube. Estratégias que assentam na exploração da imagem de jogadores com grande representatividade nestas plataformas têm sido adoptadas pelos clubes como forma de fazer crescer a sua base de adeptos e, por conseguinte, a sua abrangência comercial. Assim, hoje em dia, o retorno que pode ser mensurado aquando da selecção e recrutamento de um atleta, terá também de incluir uma análise ao impacto que este trará no âmbito das redes sociais e mercados que passam a ser alcançáveis pelo clube assim que este passar a fazer parte dos seus quadros.

A presença dos clubes das 25 principais ligas europeias nas redes sociais

Sem grande surpresa, e face ao exposto em cima, verificamos que o total de seguidores das 25 principais ligas europeias está correlacionado com o poderio e representatividade das mesmas a nível desportivo e financeiro. Assim, a Liga Inglesa (Premier League), considerada a melhor liga do mundo e a principal geradora de receitas, é também a que reúne o maior número de seguidores nas quatro principais redes sociais (Facebook, Instagram, Twitter e YouTube) em termos acumulados.

As restantes ligas habitualmente denomimadas “Big-5” (Liga Espanhola – La Liga, Liga Italiana – Serie A, Liga Alemã – Bundesliga, e Liga Francesa – Ligue 1), ocupam os restantes lugares do top-5.

A Liga Portuguesa (Liga NOS), sendo o campeonato que ocupa actualmente o sexto lugar de acordo com o ranking da UEFA, surge na sétima posição com cerca de 22 milhões de seguidores, logo atrás da Liga Turca (Spor Toto Super League) e das “Big-5”.

Polarização interna de seguidores

Em todos os campeonatos, como é natural, existe um conjunto de clubes que reúne a maioria dos seguidores devido à sua presença mais assídua nas competições europeias e aos títulos conquistados. Conforme podemos verificar em baixo, esta polarização é bastante acentuada estando, em média, 74% dos seguidores concentrados em apenas três clubes de cada liga. Exemplo disso é a Liga Portuguesa (Liga NOS), onde SL Benfica, FC Porto e Sporting CP agregam 87% do total de seguidores dos clubes do campeonato nas quatro principais redes sociais.

A representatividade de cada uma das quatro principais redes sociais

Pelas características de cada uma das redes sociais, nomeadamente, pela tipologia de conteúdos e facilidade de utilização que apresentam, os clubes registam também diferentes alcances em cada uma das mesmas. Assim, o Facebook continua a ocupar a principal posição agregando 47% do total de seguidores dos 401 clubes que competiram na época 2020/2021 nas 25 principais ligas europeias de acordo com o ranking da UEFA. O Instagram continua a ganhar cada vez maior notoriedade retirando protagonismo ao Facebook e agregando, neste momento, 32% dos seguidores. Finalmente, o Twitter e o YouTube concentram os restantes 21%.

O Futuro que é Presente

Até há pouco tempo, o Facebook, Instagram, Twitter e YouTube apresentavam-se como as principais redes sociais “top of mind” no mercado. Por este motivo, a esmagadora maioria dos 401 clubes que competiram na última época nas 25 principais ligas europeias estão presentes nas referidas quatro plataformas. No entanto, rapidamente terão de adaptar-se às novas tendências e, enquanto o Instagram vai ganhando claramente maior representatividade em detrimento do Facebook, outras vão cimentando a sua presença e focando-se particularmente no futebol como vai sucedendo com o Tik Tok. Recentemente, esta plataforma celebrou um contrato de patrocínio com a UEFA com o intuito de ser um dos principais patrocinadores do UEFA Euro 2020 posicionando-se como uma rede social que abrange as gerações mais jovens e as aproxima dos conteúdos de desporto. Num momento em que, cada vez mais, os clubes têm dificuldade em captar a atenção dos segmentos mais jovens, sendo estes o seu futuro enquanto adeptos e clientes, a presença numa rede social com estas características assume extrema importância.

Embora cada vez mais clubes se estejam a registar e a trabalhar nesta rede social, nomeadamente aqueles que têm uma representatividade assinalável nas redes sociais, existe ainda um longo percurso a realizar tal como aconteceu, mais recentemente, com o Instagram. Em Portugal, os chamados “Três Grandes” já se encontram presentes no Tik Tok tendo assim já iniciado o seu percurso numa plataforma que apresenta níveis muito significativos de crescimento ameaçando as restantes e que permitirá trabalhar de uma forma mais eficaz e incisiva os segmentos mais jovens.

Publicamos hoje a quinta e última parte de um conjunto de artigos que procuram avaliar o equilíbrio e espectacularidade entre as 25 principais ligas europeias (de acordo com o ranking da UEFA).

Foram avaliadas diferentes métricas relacionadas com pontuação, golos, resultados desportivos e financeiros e uma vertente de caracterização demográfica do campeonato de modo a alcançar um modelo comparativo.

Após terem sido analisados os pilares “Pontuação”, “Golos”, “Polarização Interna” e “Representatividade Económica”, neste artigo abordamos a vertente “Demografia e Internacionalização” procurando demonstrar as diferenças entre os referidos campeonatos e o seu nível de competitividade com base na mesma.

Assim, para esta análise foram consideradas as seguintes métricas:

  • Número total de jogadores (Junho 2021);
  • Percentagem de jogadores estrangeiros (Junho 2021);
  • Percentagem de jogadores internacionais (Junho 2021);
  • Média de idade dos jogadores (Junho 2021);
  • População do país (2020);
  • PIB per capita do país (2020);
  • Assistência média nos estádios entre as épocas 2013/2014 e 2017/2018;
  • Número total de seguidores nas 4 principais redes sociais – Facebook, Instagram, Twitter e YouTube (Junho 2021).

No que respeita ao número de atletas, a grande maioria dos campeonatos apresenta mais de 500 sendo este valor mais elevado na Liga Turca (598) e Liga Sérvia (589) que apresentam ligas com um número de clubes acima da média. Também em grande parte dos campeonatos, o número de jogadores estrangeiros é significativo sendo mais elevado em termos percentuais na Liga Inglesa (62%) e Liga Portuguesa (62%) seguidas da Liga Italiana (61%) e Liga Cipriota (60%).

Sendo a média de idades bastante similar entre as 25 ligas, já o número de jogadores internacionais diverge sendo, obviamente, mais elevado nos campeonatos com maior capacidade financeira e desportiva nomeadamente na Liga Inglesa que regista 33% de jogadores internacionais. Em Portugal (Liga NOS), este valor é de 11%.

Outros dados igualmente importantes e associados ao poderio das ligas, prendem-se com a assistência média nos estádios e o número de seguidores nas redes sociais. Estas métricas, juntamente com o já referido número de jogadores internacionais, demonstram a maior capacidade de internacionalização apresentada pelas ligas habitualmente denominadas “Big-5” (Premier League, La Liga, Serie A, Bundesliga e Ligue 1).

Notas:

  • O número de jogadores internacionais foi registado antes da realização do UEFA Euro 2020.
  • O número de seguidores nas redes sociais é referente às plataformas Facebook, Instagram, Twitter e YouTube em Junho de 2021.

Dando continuidade aos artigos publicados anteriormente, apresentamos-lhe a quarta parte de um conjunto de artigos que procuram avaliar o equilíbrio e espectacularidade entre as 25 principais ligas europeias (ranking da UEFA).

Foram avaliadas diferentes métricas relacionadas com pontuação, golos, resultados desportivos e financeiros e uma vertente de caracterização demográfica do campeonato de modo a alcançar um modelo comparativo.

Após terem sido analisados os pilares “Pontuação”, “Golos” e “Polarização Interna”, neste artigo abordamos a vertente “Representatividade Económica” procurando demonstrar as diferenças entre os referidos campeonatos e o seu nível de competitividade com base na mesma.

Assim, para esta análise foram consideradas as seguintes métricas:

  • Valor agregado dos Plantéis (Junho 2021);
  • Valor médio por Jogador (Junho 2021);
  • Variação percentual do Valor dos Plantéis entre 2016 e 2021;
  • Valor total dos prémios recebidos pelos clubes pela sua participação na Fase de Grupos da UEFA Champions League e UEFA Europa League e na UEFA Super Cup entre as épocas 2015/2016 e 2019/2020.

Analisando o quadro em baixo, que apresenta as 25 principais ligas europeias ordenadas da maior representatividade económica para a menor, verificamos que, tendo por base o conjunto das quatro métricas, a Liga Inglesa (Premier League) apresenta-se como a mais representativa economicamente nas últimas épocas. Além de ser a liga que reúne os plantéis com o valor agregado mais elevado, é também o berço dos clubes que mais receberam em prémios das competições da UEFA, não apenas pelo seu mérito desportivo mas, em grande parte, devido ao peso do market pool atribuído ao seu país.

Sem surpresa, os restantes campeonatos pertencentes aos chamados “Big-5” ocupam os quatro lugares seguintes sendo a Liga Espanhola (La Liga) e Liga Italiana (Serie A) as detentoras dos restantes lugares do pódio, seguidas da Liga Alemã (Bundesliga) e Liga Francesa (Ligue 1).

Finalmente, a Liga Portuguesa (Liga NOS) surge na 6ª posição, logo após os “Big-5”, sendo o campeonato, fora deste grupo, com os valores mais elevados quando consideramos os prémios recebidos pela participação nas competições europeias nas últimas 5 épocas bem como o valor agregado dos plantéis dos clubes participantes na competição.

Nota:

  • Os valores dos prémios atribuídos pela UEFA são referentes à Fase de Grupos e fases posteriores da UEFA Champions League e UEFA Europa League bem como da UEFA Super Cup.