As redes sociais são, sem dúvida, a forma mais rápida e abrangente de que os clubes dispõem para comunicar com os seus adeptos. Hoje apresentamos-lhe o primeiro ranking dos clubes da Liga NOS nas redes sociais relativamente ao seu número total de seguidores.

Em termos agregados, verifica-se que o número de fãs dos clubes presentes nesta edição da Liga NOS corresponde a um total de 19.722.800. O Facebook agrega 59% enquanto que o Instagram representa 22% e o Twitter 19%.

Em relação aos clubes, o FC Porto, SL Benfica e o Sporting CP ocupam o pódio, seguidos pelo SC Braga, sendo que os três primeiros clubes agregam 89% do total de fãs.

Nota 1: Valores arredondados às centenas.

Nota 2: Valores recolhidos a 20 de Maio de 2020.

Siga-nos no Facebook https://www.facebook.com/FootballIndustry e no Instagram https://www.instagram.com/football.industry/

Com a Liga NOS ainda a aguardar o seu início, o Football Industry analisou o desempenho dos 83 jogadores que ocupam as posições mais avançadas dos 18 clubes que fazem parte da competição e que participaram em pelo menos 50% dos jogos. Os indicadores analisados foram a sua eficácia (taxa de conversão – percentagem de remates transformados em golo) e a sua influência na equipa (peso dos seus golos no total do clube).

Eficácia

No que respeita à análise da taxa de conversão, Carlos Vinicius do SL Benfica destaca-se na primeira posição com 32% tendo marcado 15 golos em 22 jogos. É também, neste ranking, o que mais golos marcou até ao momento seguido de Fábio Abreu do Moreirense FC, Sandro Lima do Gil Vicente FC e Paulinho do SC Braga todos eles com 10 golos até ao momento. Dos 20 jogadores, apenas 4 pertencem a SL Benfica, FC Porto e Sporting CP. É importante também reforçar que não se trata de um ranking de golos marcados, mas sim, de um ranking de eficácia face ao número de remates efectuados por jogo transformados em golos.

Influência

Relativamente à sua influência (peso dos seus golos no total da equipa), Sandro Lima do Gil Vicente FC (15º mais eficaz) é o avançado mais influente até ao momento contabilizando 40% do total de golos da sua equipa e tendo participado em todos os jogos da Liga NOS. Observa-se também que 11 dos 20 jogadores que fazem parte do ranking dos avançados mais eficazes, fazem também parte da lista de atletas mais influentes.

Num momento difícil para o Futebol e em que alguns campeonatos foram cancelados e outros serão retomados em breve com restrições, o Football Industry regressa hoje aos relvados com novos artigos.

O Futebol vive de golos, todos o sabemos. Além do espectáculo que proporcionam, permitem aos clubes acumularem pontos de modo a alcançarem os seus objectivos, sejam eles desportivos ou financeiros.

Dependendo da sua envolvente, dos plantéis de que dispõem, da sua cultura de jogo, do próprio sucesso da sua estratégia desportiva e empresarial e dos desafios que lhes são colocados pelos seus adversários, apresentam diferentes volumes de golos marcados e, em determinados casos, marcando menos do que outros mas conseguindo obter pontuações significativas permitindo-lhes atingirem classificações confortáveis ao longo das épocas.

O Football Industry analisou esta temática verificando o desempenho dos 73 clubes que permaneceram nas principais divisões de Alemanha, Espanha, França, Inglaterra, Itália e Portugal entre as épocas 14/15 e 18/19.

Numa primeira observação, tendo por base os clubes e o período acima referidos, verifica-se que Liga NOS e a Ligue 1 apresentam os campeonatos com a maior rentabilidade do golo (cada golo marcado representa, em média, 1,10 pontos obtidos) seguindo-se a Liga Santander e a Serie A com 1,04, a Premier League com 1,02 e a Bundesliga com 0,95.

Estes resultados estão fundamentalmente relacionados com o menor número médio de golos marcados pelos clubes portugueses e franceses face aos outros campeonatos, comparativamente com o número de pontos que no final da temporada conseguem obter. Assim, a título de exemplo, nas últimas 5 épocas, em média, os clubes portugueses atingiram 47 pontos marcando apenas 44 golos enquanto que na Alemanha foram necessários 49 golos para uma pontuação de 47.

Podem ser analisados também outros números para que possamos entender ainda melhor esta realidade, nomeadamente, o número médio de remates por jogo realizado por cada equipa e a sua taxa de conversão (percentagem de remates transformados em golo). Neste âmbito, considerando as épocas 16/17, 17/18 e 18/19, a Liga NOS apresenta o menor número médio de remates por jogo a par da Liga Santander (12,1) sendo a Serie A o que apresenta o valor mais elevado (13,4). No entanto, a Liga NOS apresenta a mais alta taxa de conversão (11,5%) seguida da Bundesliga (11,4%). No entanto, é importante referir que se retirarmos SL Benfica, FC Porto e Sporting CP da análise, tanto o número de remates por jogo como a taxa de conversão decrescem significativamente para 11,3 e 9,9%, respectivamente.

A relação entre os pontos conquistados e a taxa de conversão dos 73 clubes analisados entre 14/15 e 18/19, permite-nos observar o comportamento global dos clubes nos campeonatos analisados podendo, de seguida, analisar os clubes individualmente com base numa estimativa avaliando assim o seu desempenho.

Assim, apresentamos em baixo o ranking dos 73 clubes em função da sua capacidade de rentabilização dos golos marcados em pontos. Verificamos que clubes como o Nantes, Atlético de Madrid e Juventus alcançaram melhores pontuações médias do que o esperado face à taxa de conversão que apresentaram e à relação observada no gráfico em cima.

Nantes:

  • Pontuação média 14/15-18/19: 49
  • Taxa média de conversão 14/15-18/19: 7,9%
  • Pontuação média esperada 14/15-18/19: 42
  • Resultado: 7 pontos acima do esperado

Atlético de Madrid:

  • Pontuação média 14/15-18/19: 80
  • Taxa média de conversão 14/15-18/19: 13,8%
  • Pontuação média esperada 14/15-18/19: 72
  • Resultado: 8 pontos acima do esperado

Juventus:

  • Pontuação média 14/15-18/19: 91
  • Taxa média de conversão 14/15-18/19: 12,9%
  • Pontuação média esperada 14/15-18/19: 67
  • Resultado: 24 pontos acima do esperado