Sporting CP e SL Benfica vão defrontar-se hoje pela 299ª vez, em competições oficiais, a contar para a 3ª jornada da Liga ZON Sagres 2013/2014 naquele que é o primeiro dérbi da época.
No seguimento dos artigos publicados anteriormente, o Football Industry apresenta um conjunto de quadros comparativos entre os dois clubes, dividido em três áreas distintas (FinançasDesempenho Desportivo e Web), que nos permitirão ter uma visão global das duas equipas, da sua dimensão e das possibilidades de ambas neste confronto.
FINANÇAS
Relativamente à componente financeira, o SL Benfica apresenta valores superiores no que respeita às receitas de bilheteira e comerciais. Por outro lado, o Sporting CP apresenta valores superiores nas receitas de direitos televisivos. Quanto à estrutura de proveitos dos dois clubes, verifica-se uma maior dependência do Sporting CP face às receitas de direitos televisivos e do SL Benfica em relação às receitas comerciais. Por último, o SL Benfica tem apresentado assistências médias e receitas de prémios da UEFA superiores.
[table id=279 /]
DESEMPENHO DESPORTIVO
O SL Benfica apresenta neste momento mais 20 vitórias do que o Sporting CP nos 298 jogos em competições oficiais entre as duas equipas. O Sporting CP tem uma equipa mais jovem e uma melhor forma recente.
[table id=280 /]
WEB
No que diz respeito à componente online, o domínio pertence ao SL Benfica, apresentando um número superior de fãs/seguidores em todas as redes sociais. A título de exemplo, o Sporting CP regista, neste momento, 45% do número de fãs do SL Benfica no Facebook. Em relação aos websites dos dois clubes, neste momento, o slbenfica.pt está melhor colocado tanto a nível nacional como internacional.
[table id=278 /]
Qual é o seu palpite para este jogo?
Notas: (1) Dados recolhidos a 31 de Agosto de 2013; (2) Na contagem dos troféus foram consideradas as seguintes competições: Campeonato do Mundo de Clubes, UEFA Champions League (Taça dos Clubes Campeões Europeus), Supertaça Europeia, Taça das Taças, Taça Intercontinental, Taça UEFA (UEFA Europa League), Taça Intertoto, Liga Portuguesa, Campeonato de Portugal, Supertaça de Portugal, Taça da Liga Portuguesa, Taça de Portugal; (3) Foram contabilizados apenas os títulos em competições internacionais e nacionais não tendo sido considerados os títulos regionais.

Esta segunda-feira decorrerá em Old Trafford o 160º confronto em competições oficiais entre o Manchester United e o Chelsea a contar para a 2ª jornada da Barclays Premier League 13/14. Tal como sucedeu na época transacta, o Football Industry apresenta um conjunto de quadros comparativos entre ambos os clubes dividido em três áreas distintas: Finanças, Desempenho Desportivo e Web.
O referido comparativo permite-nos ter uma visão global dos dois clubes, da sua dimensão e das possibilidades de ambas as equipas neste confronto e na competição.
FINANÇAS
Relativamente às receitas, o Manchester United apresenta uma situação mais fortalecida ocupando a 3ª posição da Deloitte Football Money League 2013 comparativamente com o 5ª posto do Chelsea. Relativamente à estrutura de receitas dos dois clubes, verifica-se que o Chelsea apresenta uma maior dependência face às receitas de direitos televisivos enquanto que a estrutura dos reds é mais repartida entre as três áreas. Contudo, nas últimas dez épocas, o clube treinado por José Mourinho tem conseguido alcançar um crescimento assinalável, devido ao esforço de crescimento do clube e do seu principal proprietário (crescimento de 141%). Verifica-se também que o Chelsea tem apresentado melhores resultados nas competições da UEFA tendo por isso arrecadado receitas superiores através desta via. Simultaneamente, os reds apresentam uma marca mais valiosa embora o plantel do Chelsea seja considerado mais valioso.
[table id=275 /]
DESEMPENHO DESPORTIVO
O Manchester United apresenta também um maior domínio na componente desportiva tendo saído vitorioso por 67 vezes dos 159 confrontos em competições oficiais entre estas equipas comparativamente com os 46 triunfos do Chelsea. Relativamente aos restantes indicadores de desempenho desta época, apresentados na tabela em baixo, verifica-se um maior equilíbrio entre as equipas.
[table id=276 /]
WEB
Os reds apresentam um maior número de seguidores no Facebook (o clube de Londres tem 52% dos fãs do United), embora ainda não tenham atingido os números do Chelsea no Twitter e Google Plus (apenas aderiram recentemente). Em relação aos websites dos dois clubes, atualmente, o manutd.com está melhor colocado tanto a nível nacional como internacional.
[table id=277 /]
Notas: (1) Dados recolhidos a 26 de Agosto de 2013; (2) Na contagem dos troféus foram consideradas as seguintes competições: Campeonato do Mundo de Clubes, UEFA Champions League, Supertaça Europeia, Taça das Taças, Taça Intercontinental, Taça UEFA, Liga Inglesa, Supertaça de Inglaterra, Taça da Liga Inglesa e Taça de Inglaterra; (3) Taxa de câmbio 26Ago13: 1 GBP = 1,16385 EUR.

Tipicamente, determinadas ligas apresentam uma rotação de jogadores entre clubes internos e externos bastante significativa. Esta situação tende a suceder sobretudo em ligas consideradas menos competitivas e que seguem uma estratégia de formação e exportação de atletas.
Neste sentido, o Football Industry comparou o 11 inicial apresentado pelos clubes na última jornada de 2012/2013 com a equipa que entrou em campo na primeira jornada de 2013/2014. Foram analisadas as seguintes competições: Bundesliga (Alemanha), Liga BBVA (Espanha), Ligue 1 (França), Eredivisie (Holanda), Barclays Premier League (Inglaterra) e Liga ZON Sagres (Portugal).
RESUMO
Em termos gerais, as ligas espanhola e portuguesa apresentam o maior número médio de alterações no 11 inicial, sendo estas referentes, sobretudo, a jogadores que não faziam parte dos plantéis em 2012/2013.
A Bundesliga e a Barclays Premier League, consideradas, neste momento, as mais competitivas, apresentam o valor médio de alterações no 11 inicial mais baixo, distribuído igualmente entre jogadores que já faziam parte dos plantéis e novas contratações para 2013/2014.
[table id=271 /]
IMPACTO DE UM NOVO TREINADOR
Analisando o impacto da chegada de um novo treinador no início de 2013/2014, observa-se que, em termos médios, apenas na Holanda e em Portugal esta situação originou um maior número de alterações face ao 11 inicial apresentado na última jornada da época anterior.
[table id=272 /]
[table id=273 /]
[gview file=”http://football-industry.com/wp-content/uploads/Alterações_11_Inicial1.pdf” save=”0″]
Este estudo foi discutido no programa Maisfutebol, da TVI24, no dia 23 de Agosto de 2013.
[youtube id=”cgW0Yi74h0U”]
NOTAS: 1.Apenas foram consideradas as equipas que permaneceram na divisão em análise entre as épocas 12/13 e 13/14; 2.As contratações incluem regressos de empréstimo; 3.Sascha Lewandowski saiu da equipa técnica do Bayer Leverkusen. Contudo, permaneceu Sami Hyypia; 4.No caso da liga holandesa foram incluídos na análise os jogos realizados no play-off; 5.A Serie A italiana não foi incluída dado apenas se iniciar no dia 25 de Agosto.
Siga-nos no Facebook! https://www.facebook.com/FootballIndustry

Os lugares anuais são uma parte importante daquele que é considerado o negócio base dos clubes: as receitas de bilheteira. Embora este fluxo tenha vindo a perder peso face às receitas comerciais e de direitos televisivos (em 2011/2012 correspondeu a apenas entre 14% e 28% das receitas dos clubes da Deloitte Football Money League 2013), sobretudo nos clubes de maior renome, os montantes recebidos relativos aos lugares anuais são um encaixe muito importante na fase inicial da época (na grande maioria das vezes são pagos a pronto) e constituem uma garantia mínima de assistência ao longo da época.
Neste sentido, o Football Industry recolheu os preços mínimos dos lugares anuais de 2013/2014 dos clubes que competem nas seguintes ligas: Liga ZON Sagres (Portugal), Bundesliga (Alemanha), Serie A (Itália), Barclays Premier League (Inglaterra) e Liga BBVA (Espanha).
Os clubes da principal divisão portuguesa cobram, no mínimo, 81 Euros pelos seus lugares anuais sendo este um valor substancialmente mais baixo comparativamente com os montantes praticados nos restantes países analisados. Enquanto os clubes italianos e espanhóis apresentam preços mínimos médios e taxas médias de ocupação relativamente semelhantes (tabela em baixo), os ingleses e alemães, apesar de apresentarem taxas médias de ocupação muito elevadas e similares, praticam preços diferentes (tabela em baixo). Este aspecto deve-se a uma questão estratégica e de mentalidade dado que os clubes da Bundesliga procuram ser totalmente orientados para os seus adeptos e, desse modo, não seguem políticas de aumento de preços. Esta prática permite, por exemplo, a um clube como o Bayern Munchen disponibilizar um lugar anual por apenas 120 Euros.
Relativamente ao impacto financeiro da aquisição de um lugar anual, e tendo por base o PIB per capita mensal (paridade do poder de compra), verifica-se que no caso português, o preço mínimo médio representa 5% deste indicador sendo que em Inglaterra o adepto terá de fazer um investimento equivalente a 25% do PIB per capita mensal inglês.
Simultaneamente, a taxa de ocupação mais reduzida apresentada pelos clubes portugueses obriga-os a realizarem ajustamentos nos preços praticados. A título de exemplo, Portugal tem 62% do PIB per capita da Alemanha embora o preço mínimo médio dos lugares anuais corresponda a apenas 37% do montante médio da Bundesliga (taxa de ocupação: 40% vs. 92%).
Os preços substancialmente superiores praticados em Inglaterra, Itália, Espanha e Alemanha estão também relacionados com o facto de os clubes destes campeonatos optarem por incluir outros jogos além dos referentes ao campeonato nacional na sua oferta base de lugar anual (exemplo: jogos da Taça nacional).
Preços Mínimos Médios e Impacto – Portugal, Alemanha, Itália, Inglaterra e Espanha
[table id=268 /]
Portugal – Preços de 12/13 vs. Preços de 13/14
Analisando isoladamente os 14 clubes portugueses que permaneceram na Liga ZON Sagres entre as épocas 12/13 e 13/14, verifica-se que o preço mínimo médio praticado decresceu de 77 para 73 Euros (-5%). De facto, entre 11/12 e 12/13, 8 dos 14 clubes analisados, registaram taxas médias de ocupação mais baixas, o que, associado às condições económicas actuais, tem levado a um ajustamento progressivo dos preços cobrados. Contudo, com a entrada do Belenenses e do Arouca, o valor de 73 Euros sobe para 83 Euros sendo, deste modo, superior ao da época passada (com Beira-Mar e Moreirense).
[table id=269 /]
Clique aqui para ver a LISTA DOS PREÇOS MÍNIMOS DOS LUGARES ANUAIS DE TODOS OS CLUBES ANALISADOS
Notas: (1) Taxas de Câmbio 06 de Agosto 2013: 1 USD = 0,751496 EUR; 1 GBP = 1,15813 EUR; (2) Foram apenas considerados preços mínimos normais de adulto (sem desconto); (3) Não foram considerados preços de renovação do lugar anual; (4) O “Preço Mínimo Médio Global 12/13” no valor de 77 Euros apenas inclui os 14 clubes que permaneceram na Liga ZON Sagres da época 12/13 para a 13/14.
Siga-nos no Facebook! https://www.facebook.com/FootballIndustry

O conceito de Market Pool
O Market Pool trata-se da componente variável dos prémios atribuídos pela UEFA aos clubes participantes na Champions League e Europa League correspondente ao valor dos direitos televisivos.
Este montante é repartido tendo em conta a dimensão do mercado televisivo do país de origem dos clubes, a posição final alcançada na liga doméstica da época anterior e o número de jogos realizados na edição corrente das competições da UEFA.
Como funcionam os critérios de distribuição do Market Pool?
A dimensão do mercado televisivo do país de origem é, sem qualquer dúvida, a principal responsável pela distribuição dos valores de Market Pool. No entanto, a posição alcançada na época anterior tem também impacto, sobretudo quando comparamos clubes do mesmo país. Deste modo, a título de exemplo, na edição de 2011/2012 da Champions League, apesar de o SL Benfica ter alcançado os quartos-de-final da competição e o FC Porto não ter ultrapassado a fase grupos, o valor do Market Pool atribuído ao campeão nacional em 2010/2011 foi superior ao do SL Benfica (€2.794.000 vs. €2.657.000).
Relativamente à dimensão dos mercados televisivos, é inequívoca a diferença entre países como Inglaterra e Portugal. Assim, verifica-se que, por exemplo, no caso dos clubes da Turquia, nas últimas quatro edições das competições da UEFA, 56% das receitas que receberam corresponderam ao Market Pool enquanto que, no caso dos clubes portugueses, este valor foi de apenas 20%.
Analisando um caso específico, em 2012/2013, o SL Benfica (2º classificado na liga portuguesa em 2011/2012) e o Chelsea (6º classificado na liga inglesa em 2011/2012), foram afastados da Champions League na fase de grupos. No entanto, o montante referente ao Market Pool atribuído ao clube português apenas correspondeu a 12% do valor recebido pelo Chelsea.
[table id=265 /]
 
E se o Market Pool não existisse?
Na semana passada, publicámos o artigo “Os 50 Clubes que Mais Receberam da UEFA (09/10 a 12/13)” onde apresentamos os valores totais recebidos pelos clubes como forma de prémio pela sua participação nas competições da UEFA. No entanto, se ignorarmos as receitas associadas ao Market Pool,  tendo assim apenas em conta a componente estritamente de desempenho, a lista publicada apresenta uma nova ordem. A título de exemplo, o Liverpool, que no ranking das receitas de Market Pool ocupa o 17º posto, encontra-se apenas na 48ª posição no ranking por receitas de desempenho. Na perspectiva oposta, o Shakhtar Donetsk, que ocupa a 12ª posição na lista em baixo, encontra-se apenas na 58ª posição no ranking de receitas de Market Pool.
TOP 50 – CLUBES QUE RECEBERAM MAIS RECEITAS DE DESEMPENHO DA UEFA (09/10 a 12/13)
[table id=266 /]
Os Valores dos Clubes Portugueses
Na tabela em baixo, apresentamos os valores dos prémios recebidos pelos sete clubes portugueses que participaram nas últimas quatro edições das competições da UEFA.
[table id=267 /]
Nota: Foram analisadas as últimas quatro épocas devido ao rebranding da UEFA Cup.
Siga-nos no Facebook! https://www.facebook.com/FootballIndustry